Apenas palavras

Eu te admiro por isso, ele disse. Ela imaginou o que ele quis dizer. Eram apenas palavras, talvez. Algumas vezes palavras servem para calar, ela cogitou. Talvez no quisessem dizer realmente nada.

Gosto de voc, eu te amo, geralmente no tm esse sentido.

Gosto de voc e viro as costas quando voc precisa. Era difcil acreditar quando tantas pessoas j haviam lhe virado as costas e sado mo em mo com estranhos.

Eu te amo e te mago, deveria estar explcito. Nunca era dito, mas sempre estava l, pairando sobre as juras de amor. impossvel magoar sem amor.

Eu te admiro por isso. No se encaixava em nenhuma das noes pr-concebidas que ela tinha. O que deveria significar? Que no havia outros motivos para ela despertar interesse? Que ela era apenas aquilo? Aquela frao nfima de sua personalidade era s o que ele via? O pequeno ponto e no a sucesso interminvel de vrgulas...

No. Eram apenas palavras. Palavras so ditas sem serem pensadas. Imprensadas entre a lngua e o cu da boca, como ela gostava de pensar. Custavam a sair. Se sassem fceis, no significavam nada. Se sassem difceis demais, talvez fossem mentiras. Mentiras precisam mais elaborao do que a verdade. Uma mentira bem contada se torna uma verdade, ou era o que ela pensava.

Estava se enganando, tinha certeza. De tantas coisas que ele poderia escolher para admirar, tinha que ser o pequeno ponto? No era nem a exclamao, no era nem o argumento. Era o ponto. O ponto final, o ltimo dos pontos. Era o ponto que importava. Ou pelo menos, o que mais importava para ela. O ponto essencial da sua existncia.

Era difcil. Era aquele o ponto que sempre provocava o e te mago. Era ele que fazia amar, mas tambm era capaz de destru-la completamente. Estava fraca e cansada demais para isso. Queria no ter escutado as palavras. Estava farta de acreditar que elas diziam mais do que a verdade.

Eu te admiro por isso, ele disse.

Obrigada, ela respondeu e seguiu em frente, fingindo que ele havia mentido. Intimamente, queria dizer eu te amo.

E te mago.