#Muito obrigada pelos reviews, eu amo ver que vocês estão gostando das minhas histórias. Quero das às boas vindas a Bruna e a minha pequenininha Cansey Lontivfe. Mel, amei seu super reviews e gostei da dica de o papai chegar bem na hora da bagunça!

Bom, o pov. Vencedor foi o pov. Duo Rose e Ed e aqui vai pra vocês meus amores. Espero muito que gostem.

Relatos de Edward: Final do dia 3

Minha mãe parece que adora me constranger na frente dos meus irmãos, mas eu nunca consigo me imaginar sem esses mimos dela... Acho que sou o único dos meus irmãos que meio que admite isso... Nem Rosalie admite isso na cara dura, só quando está encrencada... Tirando Alice ninguém tem espontaneidade para falar que precisa desses carinhos exagerados de Esme.

O telefonema dos meus pais veio em péssima hora, principalmente para Emmett que é quem está no comando e no fim é quem vai, de certa forma, responder por todos nós... Não queria estar na pele dele agora!

Eu saí para caçar assim que meu irmão mais velho colocou os pés a três metros da casa, há dias que eu precisava sentir o ar puro e prospero da natureza e assim que vi uma oportunidade, agarrei com firmeza.

Quando eu estava conversando com Esme pelo celular da Rose, e minha mãe começou a falar essas coisas que nós adolescentes adiamos que digam na frente dos outros, ouvi umas risadinhas dos meus irmãos e isso me deixou puto da vida! Que direito eles tinham de rir de mim? Isso merece uma... Vingança!

Mesmo sem querer acabei ouvindo as provocações infantis de Emmett... Pra falar a verdade meu irmão estava muito esquisito. Ora ele parecia nosso Em, ora agia como se fosse o Huck!

Eu e mamãeconversamos sobre muitas coisas, dentre elas sobre minha alimentação, sobre Alice, que foi a pior parte porque eu não queria mentir e arriscar Carlisle ouvir tudo. Imagina se ele descobre a verdade?! A primeira pessoa que ele iria tirar satisfação era comigo porque ele me OUVIU mentir pra minha mãe... Não dava pra arriscar. Confesso que Emmett meio que me sugeriu desculpas mentais para não ir "acordar" Alice de seu soninho, e isso me fez lembrar que ele estava me devendo favores por eu não entregar a bunda dele de bandeja beijada... kkkk''

Conversamos ainda sobre o temperamento da Rosalie, a garota tinha a cabeça mais dura que a de um elefante! Mas mamãe sabe a filha que tem e por isso deixou que eu falasse de Rosalie com palavrinhas ofensivas como: Nojenta, Boba, Intrometida, entre outros... Rose ouviu e em seus pensamentos ela estava prestes a me bater, mas não era nem louca de fazer aquilo com mamãe escutando tudo pelo telefone.

-Mãe, eu sei que a senhora queria falar com Alice, mas ela está dormindo e eu não quero acordar ela porque ela tá cansada. – falei com a voz um pouco trêmula, mas de certa forma segura.

-Tudo bem meu amor, mas a mamãe está com saudades da bonequinha e é por isso que eu estou insistindo. – disse Esme com uma voz carregada de doçura que me fez sentir um lixo por mentir pra ela.

-Desculpa mãezinha, mas a senhora sabe como Alice fica chateada quando é acordada. – falei, recordando que nossa mãe sempre pegava o nosso mau humor nas primeiras horas do dia, pois é ela que nos acorda pra ir pra escola. Papai até já tentou ajuda-la a nos acordar, mas ele perde a paciência muito rápida e sempre acaba irritado por não acordamos na primeira vez que ele chama nossos nomes.

"A deixe dormir, amor!"- era a voz do meu pai e ele parecia conformado em não falar com Alice, apesar de ter insistido para Emmett ir acordá-la.

-Bebê – começou mamãe, esquecendo-se do pedido que eu tinha feito a momentos atrás para ela não me chamar daquele jeito. No outro cômodo Emmett gargalhava. - A mamãe tem que desligar, por que... Eu e seu pai vamos... Passear... – Esme terminou de falar aquelas palavras sem jeito e eu entendi o que ela quis dizer com "passear".

"Poupe-me dos detalhes sórdidos". – pensei constrangido, mas fiquei em silêncio.

-Tchau bebê. – disse ela sem notar as risadas que vinham da cozinha por ela estar me chamando de "bebê".

Meu pai acha que eu morro de ciúmes dos meus irmãos e que apesar de dizer que eu não gosto que me tratem como um neném, eu me sinto abandonado quando eles não fazem... Bom, isso é o que eles pensam. Lógico que eu não sou assim, eu sei que meus irmãos dizem que eu não passo de um pirralho, mas isso não é verdade. Eu não choro por qualquer coisa! Bem, não exatamente qualquer coisa, talvez assuntos extremos, mas não vem ao caso no momento. Eu não durmo com meus pais só porque estou com medo, é porque eu sei que os coroas gostam quando eu estou perto deles, por que... Por que... Bem, porque quem não gosta de me ter ao seu lado? (Tirando Rosalie.) Eles é que precisam de mim...

Mudando de assunto.

-Tchau mamãe... Amo-te. – falei em um sussurro, tentando não chamar a atenção dos meus irmãos, mas foi inútil se querem saber. Rosalie apareceu na varanda segundos depois e praticamente arrancou o celular das minhas mãos.

-Tá maluca?! Podia fazer pelo menos o esforço de deixar meus dedos no lugar! – Falei irritado.

-Cala a boca Edward, eu não te suporto mais! Como você tem coragem de falar desse jeito de mim e na minha cara?! – perguntou ela perplexa por eu ter falado a verdade sobre ela.

-É a verdade e se não gostou de ouvir o problema é seu, eu não tô nem ai pra você!

-SEU PIRRALHO IDIOTA! – Rosalie berrou levando os meus nervos a 300 watts por segundo.

-IDIOTA É VOCÊ, NOJENTA!- gritei com a mesma voracidade bem na cara dela.

Puxei o celular da mão dela impulsivamente e joguei no chão com raiva, os olhos do Rose quase saltam dasorbitas, quando o som do celular dela quebrando ecoou pela sala.

Eu olhei para o rosto dela e vi os olhos dela marejados por causa do celular, então sem mais nem menos comecei a rir.

-Quem é o bebê agora hein Rose?! – zombei dela dobrando-me em risadas.

Eu mal consegui terminar a frase e Rosalie já estava atrás de mim, ela chutou minhas costas com tanta força, que eu voei pra fora da varanda e fui parar na sala, ao lado do sofá.

Por alguns segundos pareceu que havia um buraco nas minhas costas e que ela tinha esmagado meus pulmões. Sem querer eu puxava o ar com dificuldade. Eu sei que vocês podem estar dizendo: I daí,você não precisa respirar mesmo!

Bem, não tiro a razão de vocês, nós vampiros não necessariamente precisamos respirar TODO O TEMPO, mas precisamos de um pouco de ar no corpo para nosso veneno e sangue circularem... Mas digamos que precisamos de uma quantidade mínima, quase nada comparada a humanos.

Coloquei as mãos no chão e me empurrei pra cima com uma dor horrível no peito que me fez colocar a mão sobre ele. Procurei o rosto de Rosalie, ela ainda estava na porta da varanda olhando-me com raiva, mas por dentro ela estava preocupada em ter me machucado.

Tossi quando não estava controlando o ar nos pulmões, então sentei no chão puxando o ar com dificuldade. Rosalie estava me olhando de longe, mas estava louca de preocupação, mas como sempre não dava o braço a torcer tão fácil assim.

Senti mãos no meu ombro, era Jasper, ele estava me puxando para o sofá e eu não resisti, deitei de barriga pra cima e meu irmão começou a massagear meu peito de vagar até eu conseguir respirar sem dificuldades.

Senti as lágrimas pingando do meu rosto e eu sinceramente me odiei por isso. Uma vez em uma briga que eu tive com Rose, eu enfiei um lápis de escrever no calcanhar dela e sabe o que ela fez? Puxou o lápis e foi mancando até o banheiro, onde lavou o sangue e começou a pressionar o machucado com um pano para o sangue coagular. Quando minha mãe viu, ligou pra Carlisle e meu pai teve que costurar o machucado e minha irmã levou três injeções por dia durante dois dias, mas Rose não derramou uma lágrima, não reclamou nem das injeções e por incrível que pareça não me entregou! É, exatamente, ela não me entregou, porém, depois que ela se recuperou pagou na mesma moeda, mas ao invés de um lápis ela enfiou uma caneta no meu calcanhar e eu juro que eu só não desmaiei na hora porque eu chorava tanto que meus olhos não fechavam nem pra piscar. Eu não deixei meu pai costurar, fiz um escândalo quando soube que precisava de injeções, tive que tomar uma dose extraforte de morfina para dormir e deixar meu pai fazer o trabalho dele, eu me esgoelava toda vez que via a hora da injeção chegar e era um deus nos acuda pra me enfiar uma agulha. Apesar de Rose ser menina, eu sempre me sentia uma mariquinha perto dela porque ela passa por coisas piores do que eu passo e mesmo assim não derrama uma lágrima e eu sempre sou o que para de brincar com meus irmãos porque não aguenta quando eles veem brincar comigo.

Vi Emmett olhar pra Rosalie de um jeito inquieto.

Será que eu falo com ela? Ela parece muito nervosa pro meu gosto! Ei, peraí ela está chorando? Ah, não, é só o reflexo da luz! Essa garota é um o super. Homem! Nossa! Coitado do pirralho, Rose não tira os olhos dele, mas também, que chute! Incrível! – Os pensamentos de Emmett faziam-me me sentir mais idiota, e escutar os de Jasper não ajudou em nada.

Caramba Edward, vocês não têm jeito mesmo! Você insulta, insulta Rose, mas não aguenta quando ela te bate! Se não suporta, então não a provoque! Tenho que repetir isso todo o dia é? Ela não é como eu! Ela não vai parar de te bater só porque você tá chorando ou porque é o mais novo e você sabe disso!- Jasper pensava aquelas coisas irritado pra mim, mas eu estava encarando Rosalie por cima do sofá, ela ainda me olhava da varanda com um ar de: "Não adianta, eu sou mais forte que você!".

"Pirralho idiota! Que isso te sirva de aviso!"- pensou ela pra mim de nariz empinado.

Eu fiquei com tanta raiva, que esqueci a dor nas minhas costas e no meu peito e voei para Rosalie, levantei a mão direita para empurrar ela, com a intenção que ela voasse da varanda e fosse parar no andar de baixo pela janela, mas minha irmã foi mais rápida, ela desviou do empurrão e segundos depois estava atrás de mim, mas antes que eu pudesse virar para encará-la, ela agarrou meu direito e levou para minhas costas, onde começou a pressionar como se fosse quebra-lo, então comecei a gritar de raiva e tentar me soltar, mas então Rose chutou meus joelhos e cai no chão sobre eles.

-ME SOLTAAAAAAAAAA! ME SOLTA AGORAAAA! – comecei a gritar, enquanto me movia bruscamente, mas então ela apertou o meu braço e eu podia jurar que ela estava prestes a quebra-lo.

-VOCÊ VAI QUEBRAR MEU BRAÇOOOO! – gritei irritado, mas minha voz saiu como se eu estivesse choramingando.

-Solta ele Rose! – disse Jasper do sofá.

Emmett olhava para Rose nervoso, mas se divertia me vendo ser vencido por uma garota. Ele só esqueceu que a garota era o demônio em pessoa.

Minha irmã apertou meu braço com mais força, ela queria me ver gritar, mas eu não cedi então ela fez com mais força e sem querer comecei a soltar gemidos involuntários e quando eu não aguentava mais:

-ROSE ME SOLTA POR FAVOR, MEU BRAÇO TÁ DOENDO!- é... Eu estava chorando, mas mesmo depois de eu ter gritado e chorado, ao invés de Rose soltar meu braço, ela afrouxou o aperto e antes de soltar pensou pra mim:

"Não me provoca porque paciência pra mim hoje é um sentimento distante e se você me irritar outra vez eu vou quebrar o seu braço e acredite, eu não vou hesitar!"- depois que ela pensou aquilo, soltou meu braço e caminhou por mim bem devagar depois subiu as escadas elegantemente.

Puxei meu braço para perto do peito e segurei as lágrimas bravamente, depois levantei sem encarar meus irmãos e me desligando dos pensamentos deles, tudo que eu não queria agora era ser chamado de bebezão, mariquinha etc... Caminhei para as escadas de cabeça baixa e fui direto para o quarto de meus pais, depois me joguei na cama e pressionei meu rosto contra o travesseiro para abafar minhas lágrimas e soluços.

Final do dia três: Relatos de Rosalie

Eu já estava extremamente irritada e aquele pirralho ainda veio falar mal de mim na minha cara! Dá licença! Eu nunca iria aguentar assim, calada... Ele devia agradecer por eu não ter quebrado o braço dele! Quem ele pensa que é pra falar aquelas coisas de mim?

Comecei a caminhar em passos vagarosos para meu quarto, enquanto os olhos de Jasper e Emmett me seguiam com cuidado.

Apesar de aquela briga ter sido a mais estúpida que eu já tive com Edward, eles me olhavam como se eu tivesse acabado de sair de um ringue de uma luta de três horas com o pirralho, mas eu estava pouco me lixando para o que eles estavam pensando.

Fui direto tomar um banho pra me acalmar e tirar aquela tensão de mim. Eu acabei lembrando-se do meu celular quando entrei no banheiro, porque quando eu queria relaxar eu levava o meu cel. pra ouvir umas músicas durante o banho porque papai ainda não instalou um som no meu banheiro, mas isso foi uma escolha minha, eu preferi o som do meu conversível e o meu celular, ao invés do som do banheiro, mas agora AQUELE PIRRALHO IDIOTA TINHA ACABADO COM UM DOS MEUS PRESENTES RECENTES DE DUAS SEMANAS PRA SER MAIS EXATA! Ah! Que raiva!

Ouvi quando o capetinha entrou no quarto de nossos pais e começou a chorar, mas claro, abafando os soluços no travesseiro, que até teria dado certo se ele não tivesse berrando ao invés de soluçar.

Quando terminei o banho, deitei na cama só de toalha e com o cabelo molhado e sem querer acabei adormecendo.

Relatos de Edward: Final do dia 3

Acordei com um barulho infernal de uma bateria. A festa já devia ter começado.

Pulei da cama e fui para o banheiro dos meus pais, onde lavei meu rosto e molhei meu cabelo pra dar aquela bagunçada nos fios que me dava um charme especial.

Depois fui como um raio até o meu quarto, onde troquei de roupa, então desci, seguindo aquele barulho estrondoso.

A sala da minha casa estava repleta de adolescentes, que dançavam e conversavam sobre uma porção de coisas.

Peguei alguns pensamentos, sobre como a casa era bonita e como tudo estava perfeito... Alguns não acreditavam que estivessem em uma festa dos "Cullens". Eu ri enquanto descia as escadas. Passei por algumas meninas que acenavam pra mim com um nervosismo ridículo e por alguns meninos que me olhavam com inveja. Havia pessoas na cozinha, na sala, no banheiro, corredor e no jardim, onde um garoto chamado Peter tocava a bateria que me acordou.

Ele tinha um cabelo liso e um pouco comprido, se eu não estou enganado era o filho do amigo do... AI NÃO! ERA O FILHO DO DOUTOR JOHN! E se ele contasse que ouve uma festa em nossa casa e o pai dele acabasse dando com a língua nos dentes?! O que íamos fazer?!

-Edward! – era a voz de Emmett me chamando do meio da multidão com duas garotas lindas ao lado dele.

Fui até onde eles que meu irmão não estava arrastando asas para as meninas, pelo contrário, as meninas é que estavam dando em cima dele e ele estava prestes a jogar o problema em cima de mim.

-Oi EDIE!- disseram as meninas em uníssono, mas elas só me chamaram de "Edie" (apelido irritante que eu mais que detesto), porque Emmett foi dizer que eu preferia ser chamado daquele jeito.

-Oi... Meninas. – falei, mas encarando Emmett como se eu tivesse uma metralhadora nos olhos. Meu irmão começou a rir.

"Relaxa cara! Curti a festa brother!"- pensou ele pra mim.

Quando eu estava me preparando pra xingar ele, umas meninas gritaram da porta da minha casa:

-OLHA AS BEBIDAS GALERA! – olhei nervoso para Em, as meninas estavam com as bebidas do porão, as do meu pai. Emmett sorriu pra mim e começou a caminhar até as meninas, onde um fila de adolescentes se formava.

Achei que ele fosse pedir pra garota colocar as garrafas no lugar, mas ao invés disso ele pegou o litro de uísque e virou na boca ao som dos gritos do pessoal.

Arregalei os olhos para aquela loucura...

Como assim ele está bebendo?

Olhei ao meu redor procurando Jasper, mas ele não estava então me canalizei nos pensamentos dele, mas não o encontrei.

Emmett continuava bebendo aquilo, se achando o rei do mundo, enquanto era venerado pela galera da escola, e amigos dos amigos do pessoal da escola e gente que eu nem conhecia.

Continuei olhando para a performance do meu irmão, então ele caminhou até onde eu estava e me ofereceu a bebida.

"Toma aí cara, o gosto é legal! Carlisle exagerou demais no que ele te contou isso aqui não é fogo, na verdade só não é melhor que sangue!"

Por um segundo olhei assustado para meu irmão. Como assim ele estava me oferecendo bebida alcoólica? Eu nunca achei que Emmett fosse me oferecer aquilo, nem que eu pedisse, mas vejo que me enganei.

Emmett continuou usando argumentos para que eu bebesse aquilo, e ele estava me convencendo.

"Concentre-se só por um segundo neste cheiro. Vamos Ed!"

Fiz o que Em pediu, ele tinha razão, o cheiro era bom, era sedutor... Era até melhor do que eu lembrava... Desde quando quase virei uma garrafa na boca, e levei uma surra do meu pai, não sentia esse cheiro tão intenso em mim outra vez. Puxei o ar com força e Emmett percebeu que eu estava me encantando pela bebida, então ele continuou me induzindo a beber.

"Não tenha medo, eu já provei e te garanto que não é como Carlisle disse, isso aqui é bom!"

Não sei o que deu em mim, mas eu só me mantinha no cheiro da bebida, então peguei a garrafa da mão de Emmett e quando vi já estava bebendo, e me juntando aos gritos embriagados e altos dos outros adolescentes, em meio ao som estrondoso da bateria e da guitarra dos rapazes que faziam o som da festa.

Final do dia três: Relatos de Rosalie

Acordei ao som de uma gritaria infernal lá embaixo,então pulei da cama de punhos fechados e quase gritando, foi então que ouvi murmúrios no banheiro do meu quarto. Senti cheiro de humanos. Levantei da cama devagar e fui abrir a porta do banheiro, e sabem o que tinha lá? Dois adolescentes se beijando! Isso mesmo, uma pirralha loira e um Zé Mané se pegando no meu banheiro!

A raiva foi tão grande que até esqueci que estava só de toalha, quando vi já estava berrando para aqueles dois.

-COMO FOI QUE ENTRARAM AQUI? QUEM DEIXOU VOCÊS ENTRAREM AQUI? SAIAAAAA DAQUI! AGORAAAAAAAAAAAAAAAA! – eles me olhavam assustados, então saíram correndo do meu quarto.

-AI QUE ODIO! – gritei, só pra colocar o resto do nó que estava na minha garganta, pra fora.

Fui até meu guarda roupa e peguei uma calça jeans e uma camiseta cinza.

Vesti-me irritada e rápida, calcei minha sandália de salto preta e peguei um casaquinho azul.

Sai do quarto como um vento, literalmente, quando já estava nas escadas lembrei que tinha deixado a toalha em cima da cama, mas não voltei para tirá-la, continuei andando.

Estava uma gritaria estrondosa em minha casa, para onde eu olhava haviam adolescentes, dançando, conversando, se pegando, se zoando, me babando...

Era do jardim que vinha um som desagradável aos meus ouvidos, era uma bateria e uma guitarra, e apesar de eu gostar de rock, posso lhes garantir que aquela bagunça não era música.

Caminhei para lá, enquanto os meninos me lançavam cantada estúpida como:

"Gata, eu queria ser uma escova progressiva para não sair da sua cabeça e você dizer que mudei sua vida, SUA LINDA!"

"Gata, você não é mendiga na fila da caridade, mas to te dando sopa, SUA LINDA!"

"Eu beberia o mar se você fosse o sal."

"Você não é Sucrilhos, mas desperta o Tigre em mim!"

Caminhei para o jardim com cara de: Tomara que morra!

Achei que dentro de casa estava a maior bagunça, mas quando coloquei os pés no jardim vi que eu não tinha visto da missa um terço.

Havia adolescentes gritando e BEBENDO! E como se isso não bastasse, era o uísque de meu pai! E como se isso não fosse o suficiente Edward e Emmett estavam no meio da bagunça! E como se isso já não fosse ruim pra caramba, havia motociclistas fazendo acrobacias com motos no jardim da minha casa! E como se a merda já não tivesse grande eles eram menores de idade e acho que estavam bêbados!

Fiquei parada de boca aberta na porta da minha casa. Eu sei que não temos vizinhos e tal, mas moramos praticamente na frente do asfalta, vai que passam policiais? Vai que os pais desses pirralhos vêem buscá-los? Vai que um deles liga pro meu pai?

-EMMETTTTTTTTT! EDWARDDDDDDD!- gritei histérica, então todos pararam e ficaram olhando pra mim... Baixei a cabeça com vergonha.

"Vem aqui agora seu pirralho!"- pensei nervosa para Edward, mas ao invés de obedecer ele gritou:

-CONTINUA O SOM GALERA! – eu não podia acreditar no que eu estava ouvindo. Segundos depois o pessoal voltou a badernar então Ed e Em foram até onde eu estava, mas quando eu já estava me preparando pra perguntar o que diabos eles estavam fazendo, um grupo que vinha de dentro de casa saiu aos tropeções e quando vi eu estava no meio do vuco-vuco! Foi mais ou menos por ai que agradeci por ser vampiro, se não eu com certeza teria sido pisoteada.

Depois que aqueles loucos desvairados chegaram onde queria, eu enfim estava livre pra passar uma bronca nos idiotas, mas então eu não os vi mais e a músi... Aliás, o barulho ficou mais auto.

Senti meu celular vibrar, então puxei do meu bolso, era mensagem, mas antes de olhar de quem era eu me concentrei na hora. Agora pasmem: Quatro da madrugada!

JESUS! MEU DEUS! SENHOR! SOCOROOOO!

Quando apertei para desbloquear a tela do celular, vi que a mensagem era de Alice e apertei rápido para ler e dizia: Ligue agora, já estou disponível!

Voei para dentro de casa, para ligar para minha irmã e saber onde aquela maluca tinha se metido durante três, não, quatro dias!

Concentrei-me procurando Jasper, mas não havia nem cheiro dele dentro de casa. O barulho estava insuportável, e mesmo tempo uma audição perfeita, eu não iria conseguir ouvir nada do que Alice dissesse.

Subi para meu quarto, onde tranquei a porta, então apertei o botão de discagem rápida para ligar para minha irmã.

Chamou por muito tempo, achei que ela não fosse atender então no ultimo segundo:

-Alô? – disse ela, há tanto tempo que eu não ouvia sua voz cantante e doce.

-Ta maluca? Onde você está? O que diabo está fazendo? Alice? Alice? – por três segundos ela não falou nada, então:

-ROSE? A MEU DEUS? ONDE O Edward ESTÁ? – a voz dela era nervosa e preocupada e quando eu abri a boca para responder, um grito soou desesperado lá embaixo.

-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH HHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!

Eu poderia identificar aqueles berros de qualquer lugar do mundo, era Edward.

#Descupem ter parado no melhor momento. Quero agradecer todos os reviews mais uma vez e pedir imensamente que não deixem de me mandar e antes de dar tchau, quero recomendar a fic da minha pequenininha linda: Casey Lontivfe, ela só tem 10 anos, mas escreve muito, muito bem... Recomendooo!

Bjoooocas meus amores...

BellinhaBlack