Capitulo 2: White Demon Love Song

Havia se passado um ano desde que Amy foi embora. Ela optou em viver em outro lugar, onde não sofreria aquelas atrocidades que seus colegas infringiram nela durante o ano letivo na faculdade. James estava decidido a conversar sobre isso com o diretor Petterson.

Assim que entrou na faculdade, ele cumprimentou os funcionários que ali trabalhavam nas férias escolares e depois foi à sala do diretor, que estava aberta. Hank Petterson mexia nos relatórios escolares quando avistou James entrando e cumprimentando-o.

- James, não esperava você hoje. – Disse o diretor, um pouco surpreso, mas feliz. De todos os professores da faculdade, era em James Fielding que o diretor confiava.

- Sei que hoje não é a última reunião dos professores, no entanto, preciso falar com você.

- Estou todo ouvido, meu amigo. Pode falar.

- Sabe alguma coisa sobre a aluna Amelia Stevens, do curso de Filosofia?

Hank ficou um pouco pensativo, mas prometeu a resposta ao procurar nas fichas técnicas dos alunos e depois rumou para o computador. A resposta foi um tanto desolador.

- Lamento dizer, James, a Srta. Stevens não nos deu um sinal de sua presença na escola. A matrícula dela estará intacta até mais um ano. Se ela não aparecer, será expulsa da faculdade. Realmente o que levou aquela garota sumir?

- Ela passava por problemas... O resto eu não sei. – Disfarçou sua resposta. James sabia que ela foi embora por causa dos colegas que a infernizavam. Mas também havia outra coisa e o próprio professor sabia muito bem.

Depois da conversa com o diretor Petterson, James resolveu ir ao mercado fazer as compras do mês. Subitamente, veio uma música em sua memória, junto com uma lembrança com Amy.

Flashback ON

Era agosto e todos voltavam das férias de verão em Londres. Fazia umas quatro semanas que o ritmo retornou ao seu estado normal na faculdade e naquele dia, James tinha ido a biblioteca retirar dois livros. Um para leitura habitual e outro para ajudar nas suas aulas filosóficas. Enquanto procurava os títulos prováveis, encontrou alguém na fileira de livros de poesia e reconheceu de imediato. Era Amy Stevens, lendo um livro de Arthur Rimbaud.

- É a primeira vez que a vejo lendo algo que não seja Nietzsche ou Aristóteles. – Disse James, ao aproximar-se da jovem de modo amigável.

A garota, meio assustada, responde com seu singelo sorriso que arrebatou o professor de quarenta e dois anos.

- Eu amo Rimbaud. A poesia dele parece com a dos poetas modernos, com ainda toques épicos do século passado.

- Também gosto de poesias, porém, meu autor preferido é o Shakespeare.

White demon love song on the hall

White demon shadow on the road

Back up your mind there is a call

He isn't coming after all of this time

She likes the way he sings

White demon love songs in her dreams

(Uma canção de amor um demônio branca no salão

Uma sombra do demônio branco na estrada

Liga a tua mente de novo,,. há uma ligação

Ele não está vindo após todo este tempo

Ela gosta do jeito que ele canta

E das canções românticas do demônio branco em seus sonhos)

Os dois iniciam uma conversa animada sobre poemas. James ouvia sua aluna dizer sobre muitas coisas do mundo da literatura e inclusive trocaram ideias sobre os livros. O professor falava sobre Conan Doyle e Byron, enquanto sua admirável Amelia defendia Edgar Alan Poe, Julio Verne, Saint Exupéry e Rimbaud.

White demon where's your selfish kiss?

White demon sorrow will arrange

Let's not forget about the fear

Black invitation to a place that cannot change

While strangely holy, come pouring rain

(Onde está o teu beijo egoista, demônio branco?

O desgosto do demônio branco será providenciado

E não esqueçamos do medo

Um convite negro para um lugar cuja mudança é impossível

Enquanto estranhamento sagrado, vem junto o dilúvio)

Um trovão ecoa no céu da capital britânica, resultando numa queda total de luz na faculdade. A biblioteca fica escura. A dona do recinto de livros saí em procura do diretor e ali dentro só estavam James e Amelia. A ruiva começa a chorar baixo e mesmo assim, James a ouve e resolve consola- lá.

- Acalme-se, vai ficar tudo bem. Eles vão resolver logo.—Dizia o professor, abraçando fortemente Amy.

- Tenho medo. Odeio escuridão...

- Estou aqui, querida. Não tema...

A chuva caia cada vez mais forte e os trovões eram despejados mais poderosos. E o pânico entre os alunos gerou tensões até para os funcionários. Mas naquele momento, James e Amy não estavam ali junto com o povo estudantil. E sim sozinhos.

Amy não parava de chorar e isso deixava Fielding um tanto nervoso. E num impulso protetor, tocou o rosto da garota e a beijou. De inicio foi um pouco receoso, depois foi ficando prazeroso tanto para James quanto para Amy.

Já a ruiva não se importou mais se era seu professor ali, o que ela queria era o seu beijo e pela primeira vez, ela ficou muito excitada.

Quando as luzes acenderam, pararam o delicioso ósculo e Amy saiu da biblioteca. Foi o primeiro beijo entre eles...

Flashback OFF

Embora aquele acontecimento tivesse sido em agosto e a ruiva ficou na sua casa em outubro por pouco tempo, James ainda lamentava por Amy Stevens. Ainda tinha na cabeça o doce sabor dos lábios dela e a fisionomia juvenil que mais parecia um jovem demônio branco inofensivo. Ele ainda deseja encontra- lá.

White demon, widen your heart scope

White demon, who let your friend go?

White demon, widen your heart scope

White demon, who let your friend... go?

(Abre o escopo do teu coração, demônio branco

Quem deixou teu/tua amigo(a) partir, demônio branco?

Abre o escopo do teu coração, demônio branco

Quem deixou teu/tua amigo(a) partir, demônio branco?)

Continua...