Parte 1

Após horas de viagem o ônibus finalmente entra em sua ultima parada. O sol está se pondo, como no sonho que Viviane tivera na noite passada, mas hoje é um alegre começo de noite de primavera e não um triste fim de tarde de outono como em seu sonho.

Assim que o ônibus para, Viviane avista Morgana acenando alegremente a sua espera e ao descer já é recebida com um caloroso abraço da amiga.

MORGANA: Eu sabia que não ia resistir! Mais cedo ou mais tarde ia acabar vindo pra cá também.

VIVIANE (brincando): Fazer o que, né? Não podia deixar você cuidando de Avalon sozinha.

As duas deram uma boa risada. Avalon é o nome que Morgana deu ao seu recém adquirido cantinho próprio, um pequeno loft que coincidentemente possui uma frondosa macieira logo na entrada.

Morgana e Viviane se tornaram grandes amigas durante a época do colegial quando descobriram ser diferentes do resto da turma. Os pais de Morgana queriam que ela ficasse com eles em Lock e escondesse sua real natureza, mas a jovem preferiu seguir os passos de seus irmãos mais velhos e veio morar em Brocéliande com a irmã e ovelha negra da família, Morgause, há um ano atrás.

Ajudando Viviane com suas malas, Morgana seguiu até o carro que pegou emprestado da irmã e guardou tudo no porta-malas. Em seguida as garotas entraram no carro e partiram rumo a Avalon. Ou assim Viviane pensou.

VIVIANE: Ainda não acredito que conseguiu se mudar da casa da Morgause!

MORGANA: Consegui uma vírgula. Adivinha onde vamos jantar?

Viviane olhou para a amiga já desconfiando da resposta.

MORGANA: Se dependesse da Morgause a gente viveria todo mundo junto, amontoado num casarão como uma grande família feliz.

Viviane riu do comentário sabendo que no fundo Morgana também gosta dessa idéia pois tem uma bela e invejável relação com os irmãos Arthur e Morgause.


Morgana estacionou o carro em uma rua tranqüila que de um lado termina em uma movimentada avenida e do outro termina na cerca de um pequeno campo de futebol de várzea.

Descendo do carro e caminhando pela calçada seguida por Viviane, Morgana apontou para o outro lado da rua deserta onde sua amiga avistou um prédio antigo com uma bela árvore florida na frente.

MORGANA: Aquela ali é Avalon.

VIVIANE (rindo): Eu já devia ter imaginado...

MORGANA: Morgause insistiu pra eu alugar esse loft porque ela tem planos pra ele.

As duas atravessaram a avenida e entraram animadas em um simpático cybercafé com uma plaquinha de madeira pendurada ao lado da entrada onde se pode ver uma xícara de chá com três gotas saltando para o lado de fora e o nome do local, Awen*.

Entrando no café as garotas foram recebidas pela "grande família feliz": os donos do estabelecimento, Morgause e seu marido Lott e o irmão de Morgana, Arthur, com sua noiva, Gwen.

Enquanto todos conversam alegremente em volta de uma das mesas, Viviane se distrai por alguns segundos admirando com novos olhos o cybercafé que ela já conhecia de visitas anteriores.

O lugar é uma mistura encantadora e anacrônica da modernidade dos computadores, televisores e maquinarias típicas de uma lanchonete comum com as mesas, cadeiras e decoração rústicas feitas de madeira, metais retorcidos e engenhocas. Um verdadeiro paraíso steampunk que só agora Viviane se dá conta de como lhe é acolhedor.


*Nota: Awen é umapalavra galesa que significa "inspiração"; de acordo com poesias medievais do País de Gales a feiticeira Ceridwen possuía um caldeirão mágico com o poder de fazer uma poção capaz de conceder o dom da sabedoria e inspiração poética (Awen)