Raios de Luz

Capítulo 29:Momentos antes da Guerra, parte III: Alerta Vermelho

"ahh... Ahh..." Akemi respirava ofegante no chão de seu quarto, sua boca cheia de sangue e Mamoru deitado em cima dela, do mesmo jeito. Eles estavam cobertos com um cobertor que havia caído em cima deles com a ajuda de sua manipulação gravitacional.

Eles haviam usado o 'ritual do fogo negro', o mesmo ritual que Adamantes havia usado para fortalece-los, que aparentemente dava aos donos uma parte do poder do Deus das Trevas. Um ritual estranho que aparentemente tinha como condição a derrota de um oponente mais forte que eles.

Como da última vez, ao invés de queimar eles, o fogo funcionou como uma espécie de afrodisíaco infernal, o que imediatamente os fizeram se jogar um contra o outro como dois cachorros no cio, não que eles se importassem.

O efeito parecia que estava durando mais da ultima vez, talvez pelo fato de fazer um longo tempo que eles foram vítimas do ritual e que já derrotaram Fenrir e Guradon durante esse tempo.

Mas finalmente, depois de duas longas horas, o efeito do ritual estava passando, o casal já estava voltando à sanidade e podiam sentir o poder novo fluindo em seus corpos.

"Haha... Hahahaha..." Akemi colocou uma mão na cabeça e começou a rir. Fazer amor com seu Namorado e poder sentir uma sensação de poder incrível ao mesmo tempo? Não havia nada melhor que isso e, se ela não soubesse melhor, poderia jurar que ela tinha uma Succubus na família devido ao quanto era difícil não se viciar nisso.

"Hahaha, essa é uma sensação ótima, não é, Mamoru?" Disse a Avarenta, colocando uma mão no rosto de seu amado e sorrindo distraidamente pra ele.

"Você é uma ninfo... Mas tem razão, isso..." Mamoru disse, se levantando um pouco e mostrando sua mão para sua namorada, eletricidade estática de cor negra parecia correr por ela.

"É ótimo, se continuarmos com isso, e se continuarmos treinando, vamos poder lutar de igual para igual até mesmo com a Luci..." Mamoru fechou sua mão, e suspirou profundamente.

"Akemi, vamos indo, vamos voltar para o inferno de novo..." Mamoru se levantou, se virando de costas para Akemi.

"Faz cinco dias, né? Me pergunto se já vamos entrar em ação..." Akemi perguntou, mais pra si mesma do que pra Mamoru, que já estava com uma toalha enrolada no seu corpo.

"Bem, vamos nos arrumar, eles nos disseram para aparecermos lá com nossas armaduras, então deve ser algo sério." E tendo dito isso, Mamoru jogou uma toalha pra Akemi.

"Ahhh, okay, okay..." Ainda com o cobertor em cima de seu corpo, Akemi preguiçosamente se levanta para começar a se arrumar.

Meia hora depois...

Tendo avisado seus pais que iriam sair para se encontrar com a Luci, Mamoru e Akemi saíram quietamente na direção do cemitério. Eram cerca de 16:00 horas, então ainda devia ser possível entrar pelo portão da frente.

Eles estavam vestidos com roupas com roupas completamente pretas feitas de um tecido confortável e folgado para usaram por baixo de suas armaduras, algo que eles tinham aprendido durante o breve treinamento que tiveram com Yata.

"Por alguma razão, estou com um mal pressentimento hoje..." Akemi murmurou, abraçando a si mesma, como se estivesse com frio.

"Eu queria dizer que tudo está bem, mas eu também consigo sentir que algo está errado..." Mamoru olhava ao redor, o caminho para o cemitério estava como um dia normal, pessoas indo e vindo sem preocupações... Mas a atmosfera...

"Mamoru... Os espíritos..." Akemi parou bem em frente ao portão do cemitério, olhando na direção das covas... Os espíritos que ainda permaneciam nesse mundo estavam inquietos, flutuando de um lado pro outro, como se em pânico.

"Tch! Ei, você! O que está acontecendo?" Se dirigindo a uma forma incorpórea que vagamente o lembrava de uma mulher, Mamoru perguntou com urgência.

O espírito virou pra ele, o reconhecendo das diversas vezes que ele vinha no cemitério, ela começou a balançar a cabeça.

"Nã... mos... o... acontecendo... portal... fechado... fluxo... violento... desesperados..." Pelo visto, o mal pressentimento que o casal estava tendo também estava afetando os espíritos, pois eles não conseguiam se comunicar direito. Agradecendo a ela, Mamoru se virou para Akemi.

"Algo está acontecendo no plano espiritual, e está afetando até mesmo os espíritos... Vamos indo Akemi." Mamoru retirou de um bolso uma espécie de espelho. Ele era uma espécie de teletransportador instantâneo que a Luci havia dado pra eles caso precisassem ir para o castelo de Adamantes.

Antes que ele pudesse ativar o espelho porém, um brilho intenso apareceu na sua esquerda, fazendo o casal olhar intensamente na direção dele.

Luci havia aparecido, vestida em sua armadura prateada, seu escudo preso em suas costas. Ela estava com expressão séria, o que fez os dois adolescentes imediatamente ficarem sérios também.

"Akemi, Mamoru, que bom que já estão prontos. Temos um problema, e vamos precisar de vocês rapidamente pra isso." Luci parou momentaneamente para observar os espíritos ao redor, e o que viu fez ela ficar com uma careta.

"Eu provavelmente sou a única que consegue viajar entre o inferno e a terra agora..." Ela murmurou pra si mesma.

Tendo visto que as armaduras dos dois haviam se materializado em seus corpos, Luci acenou com a cabeça e, com um brilho grande, o trio havia sumido do cemitério.

Castelo de Adamantes... Ala hospitalar...

*beep**beep*beep* Era o som que ressonava no quarto a cada segundo, para ela, era um som doloroso e ao mesmo tempo confortante, pois significava que seu amado ainda estava vivo.

Akane sentava ao lado de uma cama no hospital, sua cabeça baixa e suas mãos segurando a mão do demônio que estava deitado na cama.

Kaoru estava com os olhos fechados e o rosto muito mais pálido que o normal. Ele estava enfaixado abaixo do pescoço e em várias outras partes de seu corpo. Ele ocasionalmente tremia, provavelmente devido ao choque que seu sistema recebeu.

Akane havia chorado muito quando recebeu a notícia que Kaoru estava fatalmente ferido e se recusou a sair do lado dele. Por sorte, ele recebeu atendimento e, com a ajuda das lágrimas de uma fênix, ele está fora de perigo. O que não quer dizer que seu estado não seja grave.

Ele foi perfurado por uma magia de vento e eletricidade. O vento cortou diversas partes de seu corpo, tanto interior quanto exterior, a eletricidade havia fritado uma boa parte de seus nervos e causou um enorme dano interno. Realmente, era um milagre ele estar vivo, Akane faria questão de agradecer a médica principal do castelo, que foi a Fênix que usou suas lagrimas nele, quando ele saísse do hospital.

Mas... Havia chances muito altas dele não fazer uma recuperação total, mesmo sendo um demônio. Ele poderia ficar paralisado ou até mesmo nunca mais acordar...

Akane apertou a mão que não estava segurando a de Kaoru. Ela iria vingar ele... Ela iria fazer com que o responsável por isso sofra...

"Akane..." Uma voz tirou a raposa vermelha de seus pensamentos negativos, ela olhou pra trás.

Era Sara, ela estava vestida com uma linda armadura azul escura com detalhes e símbolos marinhos, uma roupa da mesma cor estava sendo usada por baixo dela. Essa era a relíquia dela, a Armadura Oceânica. O incrível, era que ela parecia caber perfeitamente no corpo da pequena garota, dando ela bastante flexibilidade e conforto enquanto ao mesmo tempo, oferece uma das melhores proteções existentes no universo.

"Sara... Por que veio aqui?" Akane enxugou os olhos e tentou forçar um sorriso pra garota, mas era difícil no momento.

"Não precisa se esforçar a sorrir Akane..." A garota azul andou até a raposa e deu um abraço nela, e, depois de algum segundo, se separou e olhou pra era com seriedade, o que era estranho com o corpo pequeno dela.

"Akane... Adamantes está nos chamando, ele precisa de nós... Provavelmente vamos participar de um enorme confronto, precisamos de sua ajuda." Sara ofereceu um copo de água para Akane, que engoliu tudo de uma vez e se levantou.

"Entendido..." A kitsune respondeu, ela não queria sair de perto de seu marido, mas essa era a chance que ela teria de encontrar o culpado pela condição atual dele... E ela não iria jogar isso fora.

As duas garotas começaram a andar silenciosamente para fora da ala hospitalar do castelo e em direção a Sala do Conselho de Guerra. Sara olhava para Akane, querendo ajudar ela de alguma forma, mas sabendo que no momento, não havia nada que ela poderia fazer.

Castelo de Adamantes... Prisão especial...

"Me deixa em paz... Eu só quero voltar a ficar com minha família..." Uma voz grossa e um pouco desesperada ecoou. Era Guradon, o lorde demônio da Gula. Ele estava coberto com alguns símbolos especiais que preveniam o uso de magia da terra por parte dele, mas fora isso, o local era até meio confortável.

Um quarto de tamanho médio, com uma cama confortável, uma geladeira enorme, um banheiro, uma televisão e até mesmo um videogame. Mas fora a geladeira, Guradon não tem tocado em nada mais, pois ele está bastante preocupado com sua família.

"Guradon, sua família está a salvo, e não pretendemos te impedir de vê-la, mas entenda, precisamos de você do nosso lado." Sentado em uma cadeira no outro lado da mesa em que Guradon sentava, estava Fenrir, vestido com sua armadura prateada.

"Fenrir, você já está conversando comigo já faz cinco dias, e você não parece um cara mau... Mas desde que tivemos aquela luta, eu não consigo confiar em vocês." Disse o grandão, colocando uma mão na cabeça dele e olhando para o teto.

"Você ouviu a história que Adamantes contou pra nós e pra Sara não? Eventualmente eles vão querer escravizar todos os demônios... Não, todos aqueles que tiverem até mesmo um décimo de sangue demoníaco em suas veias. E mais, como somos descendentes dos 7 deuses, eles vão fazer de tudo para nos capturar, vivo ou mortos." Fenrir então olhou nos olhos de Guradon, sua expressão séria.

"Adamantes me ofereceu um local onde minha equipe da CIA e suas famílias possam morar em segurança, com uma equipe de demônios os protegendo. Eles no momento estão em 'férias' das tarefas que tinham que fazer e a CIA concedeu isso a eles. Como pode ver pelo o que ele me ofereceu... A Ordem Celestial poderá até mesmo ameaçar aqueles que mais amamos para tentar nos pegar." O lobo disse seriamente, fazendo o gigante arregalar os olhos e sentir preocupação em seu coração.

"Você não tem como provar isso!"

"Sim, eu tenho, e acredite. Eu não queria poder provar isso..." Fenrir suspirou profundamente e continuou.

"Não faz nem sequer um dia. Os anjos atacaram as cidades principais do Clã dos Gaviões, e mataram... Não, dizimaram milhões de demônios. Entre eles, mais de 40% foram inocentes, membros da família dos soldados que foram pegos de surpresa, entes queridos ou os que simplesmente foram azarados de estarem próximos dos alvos. Isso, Guradon, inclui mais de 5000 crianças." O agente secreto finalizou e notou a expressão de Guradon, ele foi ficando cada vez mais incrédulo, até que, ao ouvir sobre as crianças, uma expressão de tristeza o tomou.

"Eu vou mesmo... Poder continuar vendo minha família? Eu vou mesmo poder continuar protegendo eles?" Guradon perguntou com a cabeça baixa.

"Sim Guradon, você tem a minha palavra que vai poder continuar a fazer o que fazia antes. Tudo o que pedimos é que evite roubar comida e espalhar mais destruição no mundo humano... E que empreste sua força para a rebelião." Fenrir disse, sua voz séria, tendo esperança que o gigante pelo menos aceitasse a proteção deles.

"Ahh... Okay... Eu ainda não confio em vocês, mas se for para evitar que minha família seja vítima dessa guerra, eu irei lutar do lado de vocês." Guradon declarou, levantando sua cabeça e olhando o lobo nos olhos, mostrando sua determinação, Fenrir sorriu.

"Ótimo, é um prazer ter você do nosso lado, guardião da terra. Venha, vamos tirar esses selos que cobrem seu corpo." Fenrir se levantou e andou na direção da porta, o gigante seguindo seus passos silenciosamente.

Castelo de Adamantes... Conselho de Guerra... 15 minutos depois...

Reunidos em uma grande sala com uma mesa circular estavam todos os principais líderes dos clãs da rebelião.

Tamamo no Mae, a líder do Clã das Raposas, uma kitsune de 9 caudas com aparência bem jovem. Ela esta vestida em um quimono branco com um laço vermelho sobre sua cintura, ela tem longos cabelos negros com olhos dourados brilhantes, suas 9 caudas e suas orelhas sendo pretas com pontas brancas.

Yata Sanzuwu, líder do Clã Yatagarasu, ou o clã dos corvos de três pernas. Ele esta vestindo uma armadura com uma mistura de negro com dourado. Ele é um demônio grande, chegando a quase dois metros de altura, seu rosto é definido e seu corpo parece ser musculoso. Yata possui longos cabelos roxos, pele parda e olhos vermelhos sangue. Assim como todos os corvos de seu clã, seu braço esquerdo era sua terceira perna, tendo o formato de uma garra de ave.

Crimson Flamberge, o líder do Clã das Fênix. Ele tem o cabelo ruivo, que está amarrado em um rabo de cavalo, ele tem olhos verdes e pele clara. Ele está vestido com uma armadura vermelha leve, uma capa preta em suas costas. Ao seu lado descansava uma grande espada de duas mãos.

Adamastor, o líder do Clã dos gigantes. Um ser enorme com mais de 3 metros de altura que necessitava de uma cadeira própria pra ele. Ele esta usando uma armadura pesada que era uma mistura de verde com cinza, tendo uma capa verde em suas costas. Um enorme martelo descansava ao seu lado. Adamastor tem longos cabelos brancos e uma barba que chegava a sua barriga, um dos demônios mais velhos da rebelião, tendo lutado na primeira guerra.

Levy Tsunami, a líder do Clã dos Leviatãs. Ela se destacaria facilmente pela parte inferior de seu corpo ser como o de uma sereia, sendo de um verde brilhante. Ela tem cabelos curtos de cor verde e olhos azuis marinhos. A parte superior de seu corpo estava vestida com uma armadura de cor azul.

Íris Skyfall, a líder do Clã dos Gaviões. Uma mulher com aparência gentil e surpreendentemente jovem, ela tem cabelos castanhos longos e olhos pretos. Semelhante a Kazemaru em sua forma demoníaca, ela possui duas pequenas asas em sua cabeça da mesma cor de seu cabelo. Ela está vestida com uma armadura prateada leve. Ela estava com uma expressão de dor e de raiva em seu rosto, e constantemente apertava suas mãos.

Lycan, o líder do Clã dos Lobos Selvagens. Ele tem cabelos curtos espetados de cor castanha e olhos azuis. Suas orelhas e sua cauda eram da mesma cor que seu cabelo. Ele estava vestido com uma armadura leve que possuía uma capa marrom. Do seu lado descansava uma lança.

Howard Cross, o líder do Clã dos Cavaleiros Adamantinos. Bem como o nome de seu clã, ele está coberto dos pés a cabeça em uma armadura feita totalmente de um dos materiais mais fortes e resistentes do universo. A armadura era prateada com pequenas partes douradas. Seu elmo dava a impressão de ser uma mistura de um elmo normal com uma coroa, apenas seus olhos vermelhos eram visíveis. Do seu lado descansava um enorme escudo de Adamantium com uma cruz desenhada no meio, ao lado do escudo, uma enorme espada com cabo dourado, provavelmente feito do mesmo material que seu escudo e armadura.

Tear Snowflake, a líder do Clã dos Demônios da neve. Ela é um pouco diferente do resto, tendo a pele levemente azulada e orelhas pontudas. Seu cabelo e seus olhos são do mesmo tom de azul claro. Ela está com uma armadura leve azul cinza e tem um enorme cachecol ao redor de seu pescoço. Ela é a irmã mais velha do namorado de Luci, que está preso junto com outros rebeldes em uma base da Ordem Celestial.

E por ultimo, Lúcifer Adamantes como representante do Clã dos Rebeldes e como líder supremo da rebelião, sua espada, Monochrome, descansava ao lado de sua cadeira.

Ao lado de cada líder, estava de pé o lorde demônio que comandava aquele clã.

Mamoru e Akemi estava de pé, um em cada lado de Yata.

Luci estava de pé ao lado de Howard.

Sara estava de pé ao lado de Levy.

Fenrir estava de pé ao lado de Lycan.

Guradon estava de pé ao lado de Adamastor.

Os clãs que não possuíam um lorde como comandante, optaram por não levar ninguém consigo, a única exceção sendo Akane, que estava de pé ao lado de Adamantes, uma expressão séria em seu rosto.

"Senhores, eu presumo que saibam o motivo de estarmos aqui." O líder supremo da rebelião, Adamantes, começou a falar. Com isso, Íris respondeu imediatamente.

"Meu clã... Fomos atacados inesperadamente! Perdemos muitos de nossos melhores soldados... Mas isso não é tudo... Muitas vidas inocentes também foram perdidas... Entre elas, milhares de crianças e recém nascidos pegos no meio da guerra..." A líder do Clã dos Gaviões explicava com uma voz entristecida, ela mal conseguia conter as lágrimas de cair de seus olhos. Ela deveria ser a protetora deles, mas ela não estava lá! E ainda por cima foram atacados pelo próprio comandante deles!

Alguns dos líderes olharam em simpatia para a jovem, Tamamo, que estava sentada do lado dela, colocou uma cauda em seus ombros e tentou sorrir para anima-la.

"Obviamente, isso fala muito da sua inexperiência como líder. Um líder de verdade sempre faz seus soldados ficar apostos para qualquer confronto." Quem falou foi Howard, sua voz indiferente do que aconteceu. Isso fez diversos dos outros líderes encararem ele com raiva, Íris mais ainda.

"Cross, isso não é questão de inexperiência ou não. O clã dela foi traído pelo próprio comandante em um ataque inesperado, espalhado por diversas das cidades principais dos gaviões." Luci respondeu ao líder de seu clã, se controlando para não mata-lo lá mesmo.

"Isso é uma discussão entre os líderes, Kagami. Fique quieta." Howard ordenou, encarando Luci nos olhos, que encarou de volta.

"Se lembre bem qual de nós é o mais poderoso aqui, Howard. Não ouse falar nesse tom comigo." Luci declarou, emanando um pouco seu poder na direção do cavaleiro, que apenas continuou encarando ela.

"Não vamos ganhar nada discutindo entre nós mesmos." O mais velho deles, Adamastor, disse, colocando uma mão enorme sobre a pequena mesa.

"A questão é: Fomos atacados de surpresa pela Ordem Celestial. Eu já estive em uma situação assim antes, e creio que todos aqui saibam o que isso significa, não?" Ele olhou para os outros líderes, todos eles afirmando com a cabeça de maneira séria.

"Uma guerra apocalíptica, não? Ahh, eles realmente pegam no nosso pé." Tamamo disso, colocando uma mão na cabeça, a situação estava piorando rapidamente para o lado deles.

"Eu aconselho montar uma barreira ao redor do nosso território e em cada uma das cidades que fazem parte da Estrela da Manhã. Meu clã e nossos magos podem tomar conta disso, mas eu temo que não podemos fazer nada caso o inimigo tenha uma habilidade de teletransporte como a Luci tem, e provavelmente eles possuem. Pelo menos isso impede que soldados normais entrem nas nossas cidades. " Yata, o líder dos corvos, sugeriu como plano de batalha, seu tom calmo mas sério.

"Um ótimo plano, Yata, faça questão de que todas as cidades recebam as mais poderosas barreiras que vocês conseguem fazer, e quero que você pessoalmente supervise a barreira que vai cercar nosso território." Adamantes disse com um tom neutro. Yata acenou com a cabeça e permaneceu quieto.

"Meu clã irá aumentar a produção de poções feitas com nossas lágrimas, e eu sugiro que seja obrigatório todo soldado que for lutar carregar pelo menos 10 vidros para tratar suas feridas, dessa forma eles não irão desperdiçar energia com magias de cura, tanto as deles próprios quanto a dos médicos." Crimson, o líder das Fênix, sugeriu.

"São muitos soldados que irão lutar, Crimson, tem certeza que seu clã consegue atender a demanda?" Yata perguntou, se virando para olhar para o ruivo.

"Existe uma magia que permite que as lágrimas saiam em maior quantidade, vamos dar um jeito, eles irão querer ajudar quando souberem que o futuro deles depende disso." O ruivo respondeu, agradecendo a Yata por ter feito a pergunta.

"Pois bem, então decidimos que o Clã das Fênix irá começar a produzir poções especiais em massa, precisaremos delas o mais rápido possível." Adamantes declarou, olhando para Crimson.

"O Clã dos Cavaleiros irá ceder o maior número possível de Adamantium puro para os outros clãs fortalecerem suas defesas." Howard disse com os braços cruzados.

"Nós, os gigantes, iremos preparar o maior número possível de armas de destruição em massa." Adamastor declarou, ganhando a atenção de Adamantes.

"De que tipo estamos falando?"

"Naves de guerra futurísticas, ogivas nucleares, e a mais importante de todas, Gaia Arcanum." Nisso, Guradon olhou para Adamastor.

"Gaia Arcanum? Aquele titã que eu consigo criar usando o poder da terra?" Guradon perguntou para o ancião.

"Sim, eu irei pedir sua ajuda para isso. Vamos pesquisar uma forma de criar um exército de Gaia Arcanums, pois como a energia do inferno e do paraíso é infinita, você não irá ter nenhum problema em mantê-los." O titã respondeu para o segundo maior da sala.

"Isso irá ajudar muito Adamastor, eu estou contando com vocês dois para pesquisar a melhor forma de aumentar o poder de nosso exército. Vamos precisar de toda ajuda possível." Adamantes disse para o outro líder, que apenas acenou positivamente com a cabeça e voltou ao silêncio.

"O outros clãs não possuem nada que podem realmente ajudar fora nossas especialidades únicas de batalha, o clã das kitsunes se especializa em ilusões. Temos milhares de raposas que possuem mais de 4 caudas, mas apenas algumas centenas que possuem 7 ou mais." Tamamo disse, relatando sobre seu clã.

"O Clã dos Leviatãs se especializa em combate marinho e uso de magia de água, temos uma proposta de trabalhar junto com o clã dos demônios da neve para complementar nossas habilidades." Levy disse com os braços cruzados.

"Nós do Clã da Neve não somos muito poderosos, mas temos especialidade em magia do gelo, eu concordo com a proposta de Levy. Também possuímos a magia Soul Shard, que pode aumentar o poder defensivo ou ofensivo de um equipamento usando parte da alma, geralmente do próprio usuário. Isso não possui nenhum risco, pois a alma consegue se regenerar em pouco tempo das partes extraídas." Tear relatou, com os braços cruzados. Ela estava tremendo um pouco, mas faria qualquer coisa para libertar seu irmão e os outros prisioneiros que ainda estivessem vivos.

"O Clã dos Lobos se especializa em combate direto, em emboscadas e em trabalho de equipe. Podemos ajudar treinando as tropas e oferecendo comandantes e soldados especializados." Lycan, o líder dos lobos disse.

"... O Clã dos Gaviões... Vamos precisar de um tempo para nos recuperar... Mas ainda podemos oferecer armas de longa distância e outros equipamentos para ajudar no combate aéreo... Nossos soldados estão bem, mas perdemos muitos de soldados de elite, então temo que eles não possam ajudar muito..." Íris relatou com a cabeça baixa, ela ainda não tinha superado a tragédia que tinha acontecido com seus seguidores.

"Não se preocupe, Íris. Os gaviões irão trabalhar junto com os outros, oferecendo suporte a longa distância e em combate aéreo com a tecnologia que vocês possuem. Todo clã aqui tem algo que possam contribuir." Lycan respondeu para a jovem líder, ganhando um sorriso agradecido.

"O clã que lidero possui demônios e anjos dos mais diversos tipos. Acredito que poderemos contar com quaisquer ajuda que eles possam oferecer. Eu irei cuidar de verificar o que temos em nossas mãos." Adamantes disse por último, e, vendo que todos os líderes já haviam falado o era necessário, continuou.

"Akemi, Mamoru, Luci, Sara, Fenrir e Guradon." Os lordes olharam na direção dele com seriedade.

"Vocês terão um papel importante nessa luta. Cada um de vocês possui poder muito mais elevado que grande parte dos anjos. Vocês frequentemente serão os generais de cada campo de batalha, e terão que usar suas habilidades ao máximo para destruir o inimigo. O objetivo de vocês é evitar o maior número de mortes nossas o possível, não importe que métodos usem. Se tiverem acesso a algo que consiga destruir tudo em um raio enorme, não hesitem de usa-lo. Isso vale para vocês, Fenrir, Sara e Luci. É muito provável que a Ordem Celestial faça uso de seus lordes para o mesmo objetivo. Então, caso encontrem um lorde inimigo, ele será a maior prioridade da batalha, não importa o objetivo atual. Vocês estão livres para escolher como pará-los, seja os matando, os deixando inconscientes, os capturando ou simplesmente os convencendo a parar de lutar, apenas não permita que eles destruam seus aliados." Lúcifer declarou em um tom sério, olhando nos olhos de cada um deles, percebendo que Fenrir, Akemi, Mamoru e Guradon ficaram pálidos e com olhos arregalados. Sara e Luci estavam com expressões fechadas, mostrando que também não gostavam tanto assim da ideia.

"Sim, eu estou pedindo que executem genocídio contra nossos inimigos. Mas lembrem pelo o que lutamos, pelo o quê a resistência luta e a razão de cada um de vocês lutarem. A Ordem Celestial vai tentar aniquilar cada um de nós, e eventualmente, o resto dos demônios e seus entes queridos. Isso inclui humanos que vocês gostam ou conhecem." Ele declarou mais uma vez, agora percebendo que as expressões de incredulidade se transforaram em determinação.

"Eu vou fazer o que for preciso para proteger Akemi, nossa família e nossos novos amigos..." Mamoru declarou com determinação.

"Eu digo o mesmo, qualquer um que ameaçar isso irá conhecer o fim pelas minhas mãos." Akemi declarou, apertando suas mãos.

"A equipe de cientistas do meu pai é tudo que me sobrou, e nem sei se minha amiga de infância está viva ou não, mas caso ela esteja, eu farei de tudo para proteger a ela e a eles. Para defender a paz que meu pai antes defendia." Fenrir declarou com um rosnado.

"Minha família é tudo pra mim, todos os meus filhos e amigos do castelo da floresta. Para proteger o futuro deles, eu irei lutar ao lado de vocês, não importe o quanto eu me machuque ou até mesmo que eu morra, eu irei lutar." Guradon, o antigo gigante da floresta, declarou olhando pra cima.

"Eu fiz muitas amizades nos dois anos que estive na rebelião, foi graças a eles que eu pude dar a volta por cima do que tinha acontecido comigo, todos que ameaçam meus amigos devem morrer." Sara, a lorde da água, declarou em voz alta.

"Todos nós aqui possuímos pecados, e nenhum de nós pode se chamar de 'hérois' ou 'mocinhos', mas mesmo assim, possuímos algo que queremos proteger... Eu quero proteger os amigos que fiz aqui e libertar Yuki das garras dos anjos... E nada irá me impedir, nem mesmo a morte." A mais forte dos lordes, Luci, declarou em um tom firme.

Adamantes olhou pra eles, um sorriso leve em seu rosto. Ótimo, todos eles estavam determinados, a chance deles vencerem acabará de aumentar drasticamente.

"Cada um de vocês irá passar por um treinamento rigoroso por um mês. Esse é o tempo estimado que a Ordem Celestial terá feito todos os preparos para batalha, mas caso eu esteja errado, Yata e os outros corvos devem levantar as barreiras o mais rápido possível. O treinamento de cada um de vocês será supervisionado pelos líderes dos seus clãs, com a exceção de Akemi e Mamoru, que deverão ser treinados por outros corvos de elite nos primeiros dias do mês, pois Yata estará ocupado, e de Luci, a qual eu irei treinar pessoalmente. Akane, você irá treinar com a Tamamo para melhorar suas habilidades e poder ajudar os outros lordes em batalha. Com isso, o primeiro conselho está encerrado, eu vejo vocês daqui a uma semana, peço que tragam relatórios sobre os suprimentos que concordamos oferecer nessa guerra, assim como o número de soldados ativos e soldados em treinamento, com isso, estão dispensados." Adamantes se levantou, se curvou em agradecimento e saiu da sala, sendo seguido pelos outros líderes.

"Você irá lutar do nosso lado, Guradon?" Akemi, vendo que todos os outros já tinham ido exceto os lordes, perguntou para o grandão, um pouco apreensiva.

"Ahh, sim, eu irei, eu já disse isso. Eu não tenho nada realmente contra vocês 3 que me derrotaram vendo que não machucaram ninguém da minha família... Mas ainda vou demorar um pouco para me acostumar com isso, minha vida antes era simples, mas era feliz." O gigante confessou, colocando uma mão na cabeça e suspirando profundamente.

Sara andou até ele, olhando pra cima para enxergar seu rosto.

"Não se preocupe, eu tenho certeza que logo logo seremos amigos! Bem vindo, tio Guradon!" A criança do grupo disse com um sorriso feliz, o que fez o grandão imediatamente perder a compostura. Ele colocou uma mão atrás da cabeça e deu uma risada nervosa, ele era fraco contra crianças.

"Hahaha, s-sim, vamos todos ser amigos, hahaha!"

"Ahhh... Isso foi tenso..." Fenrir disse, colocando uma mão na sua testa para limpar o suor que tinha se acumulado.

"Pode falar isso de novo, todos os líderes juntos em uma só sala..." Disse Mamoru, se encostando contra um pilar.

"Eu creio que vamos ter um pouco de tempo antes de sermos chamados para treinar, que tal irmos visitar Kaoru no hospital?" Luci sugeriu para os outros, que enfim olharam na direção de Akane, que ainda estava lá, com a cabeça baixa.

"Akane! Podemos ir visitar o tio Kaoru com você?" Sara perguntou para Akane, segurando na mão dela para tentar tirar ela de seus pensamentos negativos.

A ruiva se assustou e olhou pro lado, se aliviando um pouco quando viu Sara e respondeu:

"Claro, Sara, eu irei mostrar onde ele está, obrigado..."

Capítulo 29: FIM!