a vítima

.

.

Ela se perguntou o que havia feito de errado. Está certo que ela estava longe de ser a mais comportada de suas irmãs, mas ela não era uma menina má. Ela também não era tão bela quanto Olga, ou tão querida quanto Maria, ou tão dedicada quanto Tatiana, mas ela era... Bom, ela. Sua família a chamava de shvibzik, mas isso não era uma coisa ruim, certo? Sempre que a chamavam de tal maneira, era em um tom carinhoso, sem contar que também a chamavam de malenkaya.

Sua família também não havia feito nada de errado, não? Suas irmãs faziam de tudo para ajudar os outros, assim como seus pais tentavam cuidar de seu país da melhor maneira possível. Como era possível que quisessem machucá-los? Como poderiam ter tanta raiva deles sendo que eles nunca haviam feito nada de mal para os outros? O dever de seu pai era proteger o império, enquanto o do resto da família era auxiliá-lo nessa tarefa. Eles não haviam feito nada de errado.

Então por que aqueles homens os estavam jogando para lá e para cá, tirando-os de sua casa e os enfiando em lugares alheios para escondê-los? Por que estavam-nos impedindo de ver a luz do sol? Por que estavam-nos privando do conforto, sendo que um deles necessitava disso mais do que qualquer outro? Por que os tratavam como se eles fossem as piores pessoas do mundo? Por que os levaram para aquele porão apertado sem lhes dizer o iria aconte...?

Eles não haviam feito nada de errado. Não era justo abrirem fogo contra pessoas inocentes, não era justo machucarem os seus pais – que haviam trabalhado tanto para manter o país -, não era justo machucarem suas irmãs – que cumpriam tão bem todas as tarefas que lhes eram designadas -, não era justo machucarem seu irmão – que, além de ser uma boa pessoa, estava debilitado -, não era justo machucarem os empregados – que estavam ali apenas fazendo o seu trabalho.

Ela tinha apenas dezessete anos e não era a cabeça mais brilhante de sua família – afinal, quem poderia ultrapassar o tsar, a tsarina, a bela Olga, a gentil Maria, a esforçada Tatiana e o carismático Alexei? -, mas ela sabia muito bem que o que aconteceu naquele porão era tudo – tudo – menos justiça.


N/A: Anastasia Nikolaievna Romanova, sabe... do filme Anastácia. :|
1- Shvibzik: algo nas linhas de "demoninho", um dos apelidos dela.
2- Malenkaya: pequenina, outro apelido.
Os três personagens históricos não tem nada a ver um com o outro a não ser pelo fato de 1) serem russos e 2) serem meus queridinhos da história :B